Crítica: A Rede Social

O grande trunfo de A Rede Social é conseguir prender a atenção de quem o assiste logo na primeira cena, muito embora seja uma das cenas mais verborrágicas e chatas dos últimos tempos. Ela é superrápida, de tirar o fôlego, se você perder uma palavra é capaz de se embananar todo para conseguir voltar ao fio da meada. Até uma das partes envolvidas na cena quase não consegue acompanhar a outra. E tudo isso num diálogo. Só uma conversa. Mas é nessa conversa que a figura principal do filme nos é apresentada: Mark Zuckerberg, o gênio criador da maior rede social online do mundo, o Facebook, conversa com sua namorada, e essa conversa se torna muito reveladora, ajudando-nos a entender quem é o Mark Zuckerberg… Pelo menos aquele mostrado no filme.